segunda-feira, 22 de junho de 2015

DESENCANTO [Tatiana Alves]


Advection fog at the Golden Gate Bridge, San Francisco - Grombo



Essa história de Príncipe Encantado vem me cansando ultimamente. Não que eu não goste de ser viril, corajoso, íntegro e belo. Nada disso. Mas perdi as contas das princesas igualmente encantadas que conheci, e que me decepcionaram logo após a promessa do viveram felizes para sempre. A separação, nem sempre amigável, ocorria após um brevíssimo período de convivência. Antes que me chamem de exigente, vamos aos fatos.
A primeira que me encantou foi a chamada Bela Adormecida. Achei magnífica a ideia de ela adormecer, na flor da juventude, e me aguardar até o momento em que eu decidisse me aventurar à sua procura. Nunca imaginei, entretanto, que ela quisesse continuar a dormir. Quando eu a tentava despertar para celebrar nosso casamento de conto de fadas, o seu mau humor era insuportável! E o mau-hálito, então? Acordava toda amassada, estava sempre morrendo de sono e tinha sempre uma desculpa para não ir aos bailes do reino comigo. Desisti.
Em busca de uma mulher mais ativa e dinâmica, encontrei Cinderela! Acostumada ao serviço pesado, julguei que daria conta de toda a limpeza do meu palácio. Depois de jogar na minha cara tudo o que enfrentou para ir ao baile, ainda vivia cercada de ratos, seus únicos amigos, segundo ela. Resquícios da pobreza, talvez. O que mais eu podia fazer? O golpe fatal, entretanto, veio quando ela, numa briga, atirou o sapatinho de cristal no meu rosto. Até hoje tenho a cicatriz. Voltou para o borralho!
Um dia, passeando no bosque, avistei Branca de Neve. Uma das mais belas, tenho de reconhecer. Beleza, contudo, mantida graças a uma rigorosa dieta. A anoréxica queria saber de comer maçã!... E aqueles anõezinhos, sempre por perto, enchendo o saco com aquelas musiquinhas irritantes. Até peguei uma gripe de um que espirrava o tempo todo.
Tomei uma decisão: me casaria novamente se encontrasse uma princesa bela, prendada e... Sem amigos ou família. Foi assim que Rapunzel entrou na minha vida. Morava sozinha numa torre. Casa própria. Independente. Perfeita. O único senão era ter de subir por aqueles cabelos. Em outros momentos, porém, eles eram extremamente convenientes. Em nossas tórridas noites de amor, fizemos verdadeiros malabarismos com aquela cabeleira. Quando a trouxe para o castelo, tudo mudou. Uma vez, reclamei do tempo que ela perdia lavando, secando e trançando aquelas madeixas. Sabem o que ela fez? Cortou tudo. Quase não a reconheci, ao voltar de uma caçada. Descobri que amava os cabelos, não ela.
Desde então, sou um celibatário convicto, totalmente cético em relação ao amor e à vida de conto de fadas. Nunca mais quero olhar... Espera... Quem é aquela deusa linda passando ali? Ei, princesa! Posso falar com você?


.............................
# LEIA TAMBÉM:
* FANTASMAS [Tatiana Alves]
* ROTINA [Tatiana Alves]

Tatiana Alves vive no Rio de Janeiro, cidade onde nasceu. É doutora em Letras e leciona Literatura. Recebeu mais de 350 premiações em concursos literários e participou de cerca de 300 coletâneas. É autora das obras: O legado de Cronos [contos, 2005]; D’Além mar: estudos de literatura portuguesa [crítica literário, 2008]; Harpoesia [poesia, 2009]; Silulacrum [contos, 2010]; Festim [contos, 2011]; Além do arco-íris [infantil, 2011]; Sem fantasia [crônicas, 2012].

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com sentimento sincero e responsabilidade, fique à vontade para comentar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...