segunda-feira, 8 de junho de 2015

NINGUÉM [José Craveirinha]

até ao décimo quinto andar
do moderno edifício de betão armado.

O ritmo
florestal dos ferros erguidos
arquitectonicamente no ar
e um transeunte curioso
que pergunta:
– Já caiu alguém dos andaimes?

O pousado ronronar
dos motores a óleos pesados
e a tranquila resposta do senhor empreiteiro:
– Ninguém. Só dois pretos.




....................................
Referência do poema: In: Antologia poética: José Craveirinha. Org. Ana Mafalda Leite. Belo Horionte: Editora UFMG, 2010 (Coleção Poetas de Moçambique)



.................................
# LEIA TAMBÉM:




JOSÉ CRAVEIRINHA [1926-2002 | Moçambique] Nasceu em Lourenço Marques (atual Maputo), Moçambique. Faleceu em Joanesburgo, a 06 de fevereiro de 2003. Foi poeta da resistência no tempo colonial, pelo que foi preso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com sentimento sincero e responsabilidade, fique à vontade para comentar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...